Páginas

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Projeto mascote em sala de aula









Trabalhar de maneira lúdica a aprendizagem é a mais nova proposta da Happy Town, empresa especializada em amiguinhos de pelúcia personalizados. O projeto Mascote foi uma estratégia desenvolvida pela marca, em parceria com a escola bilíngüe Brazilian International Integration School (BIS), de São Paulo, para ensinar valores que ajudam na formação e educação de crianças de quatro meses a 14 anos. 

            Implantado no ano passado, o projeto funciona da seguinte maneira. Cada turma escolhe, no início do semestre, um amiguinho de pelúcia Happy Town para ser o mascote da sala. Como mais um aluno da classe, o novo amigo ganha nome, uniforme da escola, certidão de nascimento e características da personalidade. A turma fica responsável por cuidar do companheiro e as responsabilidades começam. Para a coordenadora pedagógica da Brazilian International Integration School, Audrey Taguti, “o mascote, como líder do bem, é mais um recurso que o professor tem para desenvolver boas maneiras e virtudes como coragem, honestidade, respeito, companheirismo, ou seja, assuntos sérios, mas que ainda são abstratos para a criança”, explica. Este é o segundo ano que a BIS está com o Projeto Mascote.

O projeto funciona em sistema de rodízio. Cada dia um aluno leva para a casa o amiguinho de pelúcia e um diário para escrever todas as atividades e colar fotos. Os pais abraçam o projeto e se envolvem com a proposta pedagógica estimulando os filhos na criação da mascote. “Como eles levam para a casa, eles começam a trabalhar a responsabilidade de não sujar, não rasgar, cuidar do amiguinho e não deixar que ele seja maltratado por ninguém, já que terão que devolver aos colegas”, explica Taguti.

            Para cada idade há um foco educacional. As crianças em fase de alfabetização, por exemplo, usam o amiguinho para ilustrar as explicações em sala de aula. No diário, a escrita é estimulada. Para as mais novas, a ideia é criar um vínculo afetivo forte entre o grupo, aumentando o laço de união e amizade, já que terão um objetivo comum: cuidar da mascote. “Uma mãe incentiva o filho a comer mostrando que o pequeno de pelúcia também come”, afirma Taguti.

            Umas das franqueadoras da Happy Town, Suzana Borzani, acredita que o Projeto Mascote facilita na construção do aprendizado e trabalha questões de cidadania por meio das mensagens que cada mascote passa para a classe. “Atrás da criação de um bichinho de pelúcia podemos contribuir na valorização do bem e de qualidades tão importantes na formação do ser humano. A Happy Town vai além da escola e chega até as famílias, com outra posição, que não apenas ser mais um amiguinho de pelúcia”, conclui.  

Bem, até aqui vimos um projeto com fins educacionais, mas também com finalidades comerciais.

Professoras habilidosas poderão confeccionar seus próprios mascotes e aproveitar a ideia do projeto acima. Usando a imaginação, professoras poderão criar várias oportunidades de aprendizagem para seus alunos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Professora da Educação Básica, atuando também na universidade. Doutoranda, procuro entender os processos cognitivos envolvidos na produção da referenciação em textos narrativos.